<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=360133424683380&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Deep Tech, uma revolução na mentalidade - Parte 1

Nesta série de artigos, vamos cobrir a definição de Deep Tech, sua história, exemplos iniciais e como ela não só define a 4ª revolução industrial, mas também muda a forma como os problemas são enfrentados e as soluções são concebidas na era digital

Qualquer pessoa que esteve envolvida ou acompanhou o desenvolvimento da tecnologia ou startups nos últimos anos notaria imediatamente um termo que se tornou mais popular com o tempo: Deep Tech. No entanto, dada a amplitude de seu uso, agora é incrivelmente difícil defini-lo como conceito, e ainda mais quando não se refere a nenhuma tecnologia.

Abra os Olhos, Abra a Mente

Quando olhamos para a história da tecnologia, podemos ver como cada grande momento de revolução veio como uma resposta direta a como os “padrões” foram definidos anteriormente. A primeira revolução industrial espalhou o valor da aplicação de tecnologias como motores às práticas tradicionais, mas o conhecimento a ser aplicado era limitado. A segunda revolução industrial é o que comumente é considerado como a primeira verdadeira onda de inovação, graças aos grandes avanços na química, telecomunicações, eletricidade e ciência dos materiais, a ponto de várias descobertas desta época ainda serem a base do estilo de vida de hoje, depois de sofrermos duas guerras mundiais (o primeiro automóvel de Karl Benz, o processo Bessemer para a produção de aço, os estudos de Faraday sobre o aproveitamento de eletricidade, etc.)

O seguinte grande ponto de inovação veio após a Segunda Guerra Mundial, com laboratórios corporativos liderando a carga e alcançando avanços em P&D (IBM desenvolvendo o primeiro computador mainframe), química (empresas como a Dupont publicando mais artigos em periódicos do que a maioria das universidades) e farmacêutica, com a vantagem de receber financiamento federal em muitos países. Finalmente, a terceira onda de inovação começou na década de 1980 com o surgimento dos computadores pessoais e viu a mudança de foco da ciência para a aplicação das tecnologias atuais em vez do desenvolvimento de novas, alimentado pelo aumento do sucesso do modelo de capital de risco.
Deep Tech tecnologia profunda | Notícias SIGMA
No entanto, o que era a força das ondas de inovação anteriores está agora sendo considerada uma de suas fraquezas, que é o principal paradigma de altos gastos em P&D e alcança um de dois resultados, sendo eles: produção fácil com presença de mercado de alto risco ou presença de mercado garantida após um longo processo de desenvolvimento de tecnologia de alto risco. Essa mentalidade também foi generalizada devido ao foco dos gastos gerais de pesquisa em eletrônica e saúde, que então capturaram o mercado em uma espécie de loop de feedback, à medida que os projetos nessas áreas eram mais bem-sucedidos e mais investimentos eram feitos neles, aumentando a lacuna com outros setores.

O que “Deep Tech” como conceito traz para a mesa é uma mudança de visão e mentalidade, que se concentra em lidar com um problema com as ferramentas disponíveis e construir sobre várias repetições viáveis em vez de gastar milhões de dólares em desenvolvimento antes de testar. Isso não apenas motiva startups e empreendedores a encontrar novos usos e sinergias entre as tecnologias existentes para resolver questões e necessidades bem definidas, mas também lhes permite desenvolver sobre a primeira solução, seja combinando outras tecnologias ou melhorando os aspectos menos eficientes dos atuais.

Deep Tech uma abordagem | Notícias SiGMA


Objetivos claros abrem caminhos

Estudos têm mostrado como o principal motivo do fracasso de startups é a falta de necessidade ou presença de mercado, fazendo com que não haja interesse suficiente no produto desenvolvido para torná-lo comercialmente viável. Ao focar diretamente no problema, empreendimentos de tecnologia profunda e startups lidam com a questão da presença no mercado desde o início, dando-lhes mais tempo e recursos para se concentrar na eficiência, viabilidade econômica e dinâmica de marketing para aumentar o alcance.

Deep Tech principais razões porque algumas startups não obtem sucesso

Esse foco na resolução de problemas é a base do “ciclo DBTL” (projetar, construir, testar e aprender), sobre o qual todo projeto de tecnologia profunda (deep tech) é construído. A natureza cíclica do processo incentiva as startups a buscarem constantemente formas de melhorar sua proposta, o que também mantém sua solução relevante no mercado devido a constantes upgrades e atualizações que não só tornam o projeto mais eficiente, mas também podem ampliar o escopo original da startup.

O princípio da Deep Tech também pode ser definido, dividindo o processo de inovação em 4 estágios ou “momentos”:

Deep Tech tecnologia profunda | Notícias SiGMA

  • O Momento Copernicus sobre como enquadrar o paradigma, ou seja, qual é o problema, e a realidade poderia ser diferente?
  • O momento de Newton em forjar a teoria, ou seja, como podemos tornar isso possível?
  • O Momento Armstrong de dar o primeiro passo, ou seja, podemos construí-lo hoje?
  • O Momento Asimov na mudança da realidade, ou seja, o que é necessário para se tornar o novo normal?


    Como exemplo, podemos dar uma olhada na energia de fusão. O conceito de fusão nuclear poderia teoricamente nos levar a uma fonte de energia limpa e totalmente renovável, e isso motivou um consórcio de 35 países a unir forças em 2006 e apresentar um projeto de US $ 20 bilhões para atingir a meta de construir o maior reator Tokamak funcional , o ITER, em 2035. No entanto, uma startup de Boston chamada Commonwealth Fusion Systems (CFS) fundada em 2018 levantou apenas $ 215 milhões, menos de 2% do projeto ITER, e agora tem planos de construir um reator de ganho líquido em 2025.

    Com uma startup tendo um plano viável para atingir o mesmo objetivo de um consórcio entre 35 países, com uma fração muito pequena do financiamento e quase um quarto do tempo (8 anos vs 30 anos), pode-se notar facilmente as vantagens da abordagem de deep tech em setores de todos os tipos, e outras startups baseadas em energia em uma escala menor são a prova da escalabilidade e do alcance da filosofia.

    Deep Tech inovação principais problemas | Notícias SiGMA

Anualmente vimos como essa linha de pensamento se tornou mais popular e continuaremos a ver esse modelo crescer e se aprimorar conforme as startups de deep tech continuam aumentando em viabilidade e presença de mercado, como o que aconteceu com Tesla e SpaceX , ou quando novos problemas são resolvidos usando combinações de tecnologias, como a maioria dos projetos baseados em blockchain nos últimos tempos. No geral, parece que a deep tech é o mapa a ser seguido pelos projetos que têm o potencial de moldar nosso futuro, então entender como funciona é a melhor estratégia para se preparar para uma revolução que já poderia estar forte, e na próxima parte desta série, cobriremos o impacto econômico que esses projetos tiveram no cenário da inovação em termos de número de projetos que foram financiados com sucesso, a quantidade de fundos levantados e como eles se comparam a projetos semelhantes com estratégias de tecnologia não profunda.

Artigo escrito por Gabriel Zanko, Consultor em Tecnologia, CEO da MobileyourLife (Banco de Investimento para Deep Tech e Energia Renovável), CEO da Urano Capital (futuro Seed Fund para Deep Tech), pesquisador e palestrante.

Daniel Ramos, Gabriel Zanko, Mobileyourlife – Bogotá, D.C., Colombia

O SiGMA Roadshow

O SiGMA Roadshow está intensificando seu jogo; agora virtual, o webinar assumirá uma nova jurisdição a cada mês, visando uma agenda global de tópicos relevantes de conferência e um pequeno, mas movimentado, espaço de exposição. Realizada em uma plataforma interativa, a mini conferência de 2 horas se aprofundará em 5 áreas-chave de debate, trazendo temas específicos para a região - como regulamentação, impostos, conformidade e tecnologia emergente, para uma mesa de pensadores e acadêmicos especialistas nas áreas. O SiGMA Roadshow Virtual refletirá a abertura de eventos globais do SiGMA em 5 grandes regiões nos próximos anos, sendo elas: Europa, região da CEI, Ásia, Américas e África. O evento mensal, que começa com uma turnê mundial por 14 países, começa com a recém-legislada Ucrânia e será publicado via podcast.

 

Posts relacionados