<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=360133424683380&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

2020 para Criptomoedas - Uma revisão dos eventos mais importantes do mercado e as tendências para 2021

Gabriel Zanko relembra os eventos mais relevantes que abalaram o mundo da criptomoeda e como os efeitos desses eventos pavimentaram o caminho para o mercado nos próximos meses

Neste artigo discutiremos sobre a análise realizada pela equipe da Messari para nos ajudar a ter uma visão mais ampla e definir as bases para o longo prazo dos ativos digitais.

 

INTRODUÇÃO

Provavelmente o ano mais agitado da história recente, 2020 foi marcado drasticamente pela pandemia de COVID-19 e lockdowns mundiais na tentativa de controlá-la, junto com outros múltiplos eventos que mantiveram a humanidade em vertigem sobre o que esta por vir.

Como esperado, a criptomoeda não ficou isenta dessa tendência. Cada mês que passava parecia que um grande novo anúncio ou movimento era feito, e isso levou a uma nova tendência de alta de longo prazo, que já mostrava seus primeiros resultados e deixava investidores e entusiastas ansiosos sobre o que 2021 poderia trazer. É por isso que estamos lançando este artigo, para fazer um resumo dos maiores eventos do mercado de criptomoedas durante o ano e para aguardar o que 2021 promete neste momento.

Ao longo do artigo, vincularemos uma série de documentos de pesquisa que lançamos durante o ano, nos quais revisamos cada evento importante em detalhes. Cada um desses documentos pode fornecer mais informações sobre as ocorrências importantes de 2020 e ajudar a compreender as tendências potenciais para o próximo ano. Vamos começar.

 

EVENTOS DE 2020

O primeiro efeito notável dos lockdowns e medidas de quarentena foi a quase eliminação do lado do consumo da economia, que por sua vez deixou o lado produtivo à procura de qualquer ajuda que pudesse obter. Aqueles que não tiveram sorte e não conseguiram traduzir o seu trabalho na altura para uma alternativa de trabalho a partir de casa se depararam com decisões terríveis, desde aceitar cortes de salários até simplesmente perderem os seus empregos, o que passou a afetar as poupanças. É aqui que a criptomoeda brilhou durante a maior parte do ano, como o seu papel de alternativa ao sistema bancário tradicional é uma forma de as pessoas protegerem as suas poupanças contra situações que visavam diretamente o resto da economia, e ainda mais quando este evento específico estava previsto para durar muitos meses após os lockdowns iniciais.

 

Em termos mais específicos, um dos primeiros grandes movimentos dentro do mercado de criptomoeda foi o terceiro “Bitcoin Halving” durante 2020, um evento automático que é acionado quando a cadeia de Bitcoin atinge um determinado comprimento e que corta as recompensas de mineração para cada bloco na cadeia pela metade, o que o define para seus atuais 6,25 BTC por bloco. Isso foi implementado desde a sua concepção como forma de estender a vida útil da moeda, já que serão apenas 21 milhões de BTC cunhados, e para combater a inflação, mas também tem efeitos no ambiente de mineração. Halvings anteriores levantaram a questão sobre como os mineradores enfrentariam a mudança e a redução nos lucros, mas também serviram como prova de que esses eventos geralmente marcam o início de corridas de alta de longo prazo que aumentaram o valor do BTC, de modo que as recompensas reduzidas pela metade se igualaram a lucros maiores do que antes da redução pela metade.

 

Também experimentamos o aumento acentuado do setor de Finanças Descentralizadas (partes I e II), que está relacionado ao aumento de serviços financeiros baseados em blockchain devido à pandemia e ao lançamento da Compound (uma das maiores e mais bem classificadas plataformas DeFi) Token COMP, o que significava que eles estavam lançando sua plataforma para completar a governança pública. Com a sensação de que a economia pode ser afetada por muitos meses, o mercado de derivativos e o setor de digitalização de ativos ganharam força e, mais cedo do que o esperado, o setor DeFi passou de US $ 1 bilhão em valor total bloqueado para quase US $ 4 bilhões em dois meses (do final de maio até final de julho), quebrando a linha de US $ 10 bilhões em setembro e fechando o ano em quase US $ 15 bilhões.

Outros analistas focam nos grandes avanços em termos de regulamentação. Em julho de 2020, o OCC divulgou uma carta que permitia aos bancos nos Estados Unidos manterem ativos criptográficos em nome de seus clientes, o que significa que o conceito de criptomoeda está sendo compreendido e aceito pelas esferas mais altas da economia, o que então levou a grandes saltos de pesquisa e desenvolvimento de moedas digitais emitidas pelo Banco Central, ou CBDCs. O conceito já existia há algum tempo, mas a sombra de uma economia globalizada inteiramente controlada pela internet (impulsionada pelos efeitos econômicos da pandemia) ameaçava tirar a soberania dos países sobre suas próprias economias, razão pela qual os CBDCs eram um conceito que foi amplamente estudado durante o ano, com exemplos como a e-krona da Suécia e a ePeso do Uruguai, que devem ajudar na inclusão das partes mais marginalizadas da população no que diz respeito ao acesso a bancos, dando suporte para o cruzamento quase irrestrito de dados - transações fronteiriças.

Outro grande ponto para a criptomoeda foi o interesse público de várias instituições e grandes marcas no campo, com o gigante dos pagamentos PayPal anunciando em outubro que começaria a permitir que os usuários comprassem, vendessem e guardassem criptomoedas por meio de seu sistema a partir de 2021, o que trouxe uma onda positiva para o mercado. Isso, junto com outros anúncios altamente esperados como a mainnet atualizada da Ethereum, Ethereum 2.0, já em movimento, abriu as portas para todo o mercado atingir novos máximos, com a capitalização de mercado geral ultrapassando a marca de $ 700 milhões e o gigante do mercado, Bitcoin, alcançando um novo teto ao ultrapassar a marca de $ 25.000, e outros grandes tokens também estão a caminho de atingir níveis históricos.

 

EXPECTATIVAS PARA 2021

Todos esses eventos prepararam o cenário para o que parece ser um 2021 muito prolífico. Com o BTC em alta, o resto do mercado está seguindo seus movimentos, clientes institucionais mostrando interesse crescente e o cenário regulatório aparentemente amigável, o próximo ano pode trazer grandes avanços em diversas frentes, conforme explicado por Messari em seu relatório sobre 2021.

  • Interesse público em cripto

O primeiro grande efeito que podemos ver conta com mais interesse de instituições e grandes clientes em criptmoedas, especifialmente em Bitcoin, uma vez que é o token mais conhecido entre o oceano de alternativas, o que poderia transformar a atual corrida de alta em “a maior corrida ”, o que poderia levar o gigante da criptomoeda ao nível de $ 100.000 até o final de 2021. Além disso, o domínio dos grandes nomes entre seus pares continua aumentando, com o Bitcoin alcançando quase 90% de domínio sobre outros tokens comprovados, como o Ethereum fechando em 70% sobre outros tokens de plataforma e o Tether representando 75% do mercado de stablecoins atrelados ao dólar, o que os torna os primeiros alvos potenciais para entusiastas e investidores.

Impulsionada pela eleição de Joe Biden como Presidente dos Estados Unidos e pela atual disputa na Geórgia que decidirá a maioria do Senado, a implementação de um novo pacote de estímulo fiscal terá um papel importante no resto da economia para os próximos meses, pois precisam planejar uma forma de combater a dívida contraída em 2020, o que pode levar ainda mais pessoas ao uso de criptomoeda. Segundo a equipe de Messari, caso o Congresso continue dividido, o dinheiro continuará sendo impresso para cobrir as dívidas, o que pode desestabilizar ainda mais a economia e, assim, levar mais usuários à criptomoeda.

Claro, o potencial de uma nova administração dos EUA traz consigo dúvidas sobre a aceitação das criptomoedas neste nível, especialmente porque a grande maioria da capacidade de mineração de Bitcoin existente está fora dos EUA. Se esse fato se traduzir em ver Bitcoin como uma ferramenta para minar as sanções internacionais, o sentimento do governo provavelmente será o catalisador de uma corrida de baixa. No entanto, o aumento contínuo de novas e legais formas de adquirir criptomoeda e seu desempenho extremamente positivo quando comparado a outros ativos tornam a criptomoeda um ativo ainda mais atraente para o público nos próximos meses, o que pode ser visto claramente através da atual alta.

Outro aspecto importante a se considerar é como o Bitcoin gradualmente se afastou de sua intenção original, a ponto de muitos especialistas concordarem que ele não é mais privado, o que cria riscos em relação à escalabilidade e fungibilidade. Muitas alternativas surgiram para complementar o BTC a esse respeito, mas Messari acredita que Zcash poderia ser o melhor "hipermodelo" entre a multidão, já que sua principal inovação foi a introdução de criptografia "à prova de conhecimento zero" em sua rede de pagamentos nativa, que fornece garantias de privacidade mais fortes do que as transações normais de blockchain. O Zcash não apenas oferece uma solução tangível para o problema, mas também mostra como a comunidade de criptomoeedas está sempre ansiosa para propor e testar alternativas que possam levar a um ambiente quase perfeito.

 

  • Ethereum e DeFi


Outros campos que podem ter um crescimento ainda maior em 2021 em comparação com este ano são Ethereum, especificamente suas funcionalidades de contrato inteligente e carregando a bandeira de ultrapassar Bitcoin em termos de valor monetário transferido através de sua rede, e DeFi, que tomou 2020 como uma tempestade e lançou as bases para o surgimento de uma potencial economia "sem bancos" com blocos de construção como criação de mercado (Uniswap), opções para agricultura de liquidez (Composto), gestão inteligente de ativos (YFI), oráculos de dados (ChainLink) e outras funcionalidades necessárias para criar um sistema financeiro estável e totalmente descentralizado.

A Ethereum está a caminho de processar mais de US $ 1 trilhão em transações este ano, incluindo a grande maioria do volume nos setores emergentes (e cada vez mais complexos) de DeFi e de “criptodólar”. Esses dois podem até eclipsar o Bitcoin em importância, já que estão focando seu crescimento em usuários menores e entusiastas em busca de uma maneira de entrar, então 2021 pode ser um ano ainda melhor para esses setores, pois eles consolidam suas funções, grandes nomes e bases de usuários. Ethereum poderia até assumir o mercado momentaneamente no - agora, altamente improvável - caso o Bitcoin falhe devido à inflação destruindo seu modelo de segurança, soberanos sufocando provedores de liquidez ou um sequestro maciço na capacidade de mineração, mas a ETH ainda não teria resiliência para manter o mercado à tona. No entanto, ele permanecerá valioso devido ao seu status como uma mercadoria (necessária para o uso da transação), um ativo de capital (para network staking) e uma forma de dinheiro (reserva).

 

  • Stablecoins

Os Stablecoins também poderiam assumir grande parte do mercado, desta vez em um valor circulante que chega a US $ 20 bilhões, centenas de bilhões em transações diárias e, com mais de US $ 1 bilhão do Tether em Ethereum, o USDT está agora atrás da ETH em termos de valor econômico armazenado, conforme o conceito de tokens dolarizados está se tornando mais popular e seu papel na ascensão do DeFi tornou-se crucial durante o ano. As pessoas estão se animando com a ideia de tokens conectados ao dólar americano (já que ele continuará a ser o ponto de referência para criptomoeda) e sua utilidade em fazer transações e armazenar valor mais facilmente em um mercado tão volátil. Ao longo das linhas de stablecoins, "sintéticos" ou ativos digitalizados (tokens com um valor vinculado a um ativo da vida real) também continuarão a crescer em popularidade à medida que as plataformas que permitem criptocréditos e hipotecas digitais passem do conceito à realidade, objetivo final de fazer a transição de todo tipo de ativo da vida real para o espaço digital.

2020 para Criptomoedas | Notícias SiGMA Um projeto interessante a seguir dentro desse setor é o Celo, que surgiu do manejo mais do que questionável da Libra do Facebook. O Celo usa números de telefone como chaves públicas e não requer conexão com a Internet, o que o torna um utilitário atraente para o mundo em desenvolvimento. Com uma lista diversificada e relevante de apoiadores, indo de Reid Hoffman a Jack Dorsey, e fundos como a16z, USV e Polychain, e o emissor Celo cLabs  que adquiriu a especialista em interoperabilidade de blockchain, Summa, neste verão para trabalhar em pontes com Keep / tBTC, Cosmos, Ethereum e Polkadot.

Espera-se que os criptodólares em plataformas criptográficas, ativos sintéticos e Moedas Digitais do Banco Central (CBDCs) em plataformas estaduais ultrapassem os tokens de plataforma em flutuação em circulação em 2-3 anos, e essa expectativa é sustentada pela redução dos riscos sobre o investimento que os principais tokens vivenciados durante o ano (BTC atuando como ouro digital e ETH como combustível para plataformas de computação), que se traduzem diretamente na segurança dos stablecoins.

 

III.e. Aspectos Tecnicos

Nesse sentido, os últimos meses do ano de 2020 nos deram o lançamento do Filecoin, uma rede de armazenamento descentralizada, e outras ferramentas de rede descentralizadas importantes como Orchid (VPNs) e Helium (redes de dispositivos de Internet das Coisas), que são infraestruturas extremamente importantes redes que ajudarão a Web3 e os Tokens Não Fungíveis (NFTs) a abrir as portas para uma nova economia baseada em recursos inteiramente digitais.

É importante também observar como a diversificação de algoritmos de consenso e mecanismos de criptografia altera a maneira como a mineração funciona e seu possível impacto na forma como a energia é usada. Se as tendências atuais continuarem, podemos estar diante de uma situação em que a teorizada “duck curve” (Figura 7) se torne uma realidade e eu posso até chegar a um ponto em que a mineração comprovada poderia potencialmente reduzir as emissões de carbono. O excesso de energia precisa ser canalizado de redes de energia sobrecarregadas para alguma fonte externa. E se as minas de Bitcoin pudessem eventualmente servir como balanças de carga de rede de energia limpa?

 

Por fim, mas definitivamente não menos importante, há muitas análises a serem feitas a respeito da situação de demanda e oferta de criptomoedas, principalmente Bitcoin, principalmente com o panorama atual de aumento de desempenho. Em relação ao uso de criptomoeda para custódia, a equipe da Messari diz que "muito do bitcoin que está sendo sugado agora pode nunca chegar ao mercado novamente. Essas são posições de longo prazo sendo construídas e colocadas em armazenamento refrigerado para uso de longo prazo por investidores e empresas com horizontes de investimento de 5 a 10 anos. E a proporção fica cada vez mais desequilibrada. As novas compras de bitcoins do PayPal, Square e Grayscale já excedem as recompensas BTC recém-extraídas, o que significa que todo o bitcoin está essencialmente comprometido. ” Um fenômeno semelhante pode ser visto para a demanda e oferta dos países, à medida que mais pessoas continuam lutando com suas finanças pessoais e alta inflação, um número crescente de moedas fiduciárias menores pode perder o equilíbrio nos próximos anos, o que significa que o BTC pode se tornar sua tábua de salvação por desespero, mas o grande nome da criptografia está pronto para tal demanda?

CONCLUSÃO

No geral, 2021 nos apresenta oportunidades de tirar as lições aprendidas em 2020 e continuar a aprender, desta vez com um ambiente menos hostil, e ver como os avanços na criptomoeda como um todo podem coexistir com economias que se concentram no combate à dívida e seus eventuais estados de recuperação. Ao contrário de quase todos os outros aspectos econômicos, a criptomoeda teve grandes oportunidades durante 2020, e a maioria delas resultou no estabelecimento das bases para um crescimento saudável em face de tais situações, mas 2021 testará a resiliência dessas bases quando o cenário for alterado, e os sinais apontam para um resultado positivo para usuários de todas as camadas e interesses.

 

Artigo de Gabriel Zanko, Conselheiro Técnico, CEO da MobileyourLife (Banco de Investimento para Deep Tech e Energia Renovável), CEO da Urano Capital (o futuro Seed Fund para Deep Tech), pesquisador e palestrante
Daniel Ramos, Gabriel Zanko, Mobileyourlife - Bogotá, D.C., Colômbia

Sobre o SiGMA Pitch:

Após uma corrida de muito sucesso, a 5ª edição do SiGMA Pitch está de volta para a primavera de 2021. Mais de 100 startups serão selecionadas para mostrar seus produtos e iniciativas durante o evento. Cada startup terá um pequeno estande no SiGMA cercado pelos principais investidores e mentores. No entanto, apenas os dez melhores escolhidos pelos jurados chegarão ao Pitch durante a etapa final da Cúpula. Aumente sua chance de ser um dos 100 melhores enviando um vídeo de introdução de 3 minutos ao se inscrever! Inscreva-se agora.

Posts relacionados