<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=360133424683380&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

A (r)evolução continua cada vez mais profunda

O impulso da inovação em sistemas de pagamento

Artigo escrito por JP Fabri. Ele é um economista aplicado com vasta experiência local e internacional. Fabri fazia parte do gabinete privado do ex-primeiro-ministro de Malta e governador do Banco Central de Malta. Ele também tem experiência em consultoria de política internacional, tendo sido consultor de 9 governos sobre resiliência econômica e boa governança. Fabri também é professor assistente visitante na Universidade de Malta.

Os sistemas de pagamento são frequentemente considerados óbvios e subestimados. As gerações atuais viram o surgimento de cartões de crédito, cartões de débito, pagamentos online, pagamentos por telefone celular, pagamentos sem contato e outros métodos inovadores de pagamento. Os serviços de pagamento sustentam a rua principal, as rodas da indústria, o funcionamento dos mercados e a existência do governo. Nenhuma outra atividade bancária é tão importante para a sociedade ou negócios quanto os pagamentos.

Credit Card WalletTecnologia e regulamentação estão impulsionando a inovação em sistemas de pagamento e criando novas fontes de valor. As mudanças são tão significativas que o futuro mercado de pagamentos terá um efeito profundo na estrutura do setor bancário de hoje e também em outros setores.

 

Em 2015, a União Europeia agiu para criar um ‘mercado único digital’ para serviços de pagamento na Europa. Este movimento foi defendido pela Segunda Diretiva de Serviços de Pagamento da UE (PSD2), que fortaleceu os direitos do consumidor, introduziu novas medidas de segurança e forneceu a infraestrutura regulatória para sua própria forma de Banco Aberto ('OB'). Esta diretiva revolucionária abre contas bancárias de consumidores para provedores terceirizados (TPPs), desbloqueando os data-lakes dos bancos e proporcionando igualdade de condições com outros provedores de serviços financeiros. Como tal, representa uma mudança fundamental no setor bancário europeu e um passo significativo para o Open Finance. O PSD2 tornou-se lei para os estados membros em janeiro de 2018, e suas medidas tornaram-se ativas e aplicáveis em etapas até dezembro de 2020. O PSD2 é visto como a resposta da Europa a este domínio em rápida mudança e teve como objetivo definir e ser pioneiro no futuro dos serviços de pagamento.

O futuro dos serviços de pagamento

Não há dúvida de que a tecnologia e o comportamento do consumidor estão continuamente empurrando o envelope no que diz respeito aos serviços de pagamento. A experiência do COVID também acelerou o uso de métodos alternativos de pagamento e vários analistas acreditam que ela estará acelerando a mudança para uma sociedade sem dinheiro. Os seguintes estão cada vez mais sendo vistos como os principais impulsionadores do futuro de tais serviços:

  • Cashless - mais dinheiro será substituído pelas transações eletrônicas, pois as inovações de pagamento tornam benéfico para os clientes o uso de dispositivos móveis e outros meios de pagamento alternativos, mesmo em transações de pequeno valor
  • Engajamento -  à medida que os pagamentos e a mobilidade se tornam mais integrados, a importância das transações de pagamento como um potencial ponto de interação com o cliente aumentará para comerciantes e instituições financeiras.
  • Data-driven - com a maior adoção de pagamentos eletrônicos, mais dados serão acumulados a partir de transações de pagamento, permitindo que instituições financeiras, prestadores de serviços e comerciantes obtenham um maior entendimento de clientes e negócios
  • Maior acesso a empréstimos - à medida que mais pagamentos são processados por meio de trilhos eletrônicos, a visibilidade das instituições financeiras no fluxo de caixa de indivíduos e empresas e padrões de gastos aumentará, melhorando sua capacidade de conceder empréstimos a clientes antes menos compreendidos
  • Custos reduzidos - como as soluções inovadoras se baseiam na infraestrutura existente, que tem custos variáveis muito baixos, o custo de fazer transações eletrônicas cairá à medida que os pagamentos eletrônicos ganham mais volume.

Essas forças, juntamente com as inovações regulatórias e tecnológicas, darão início a uma nova era de capacitação do cliente. Com as permissões adequadas, os clientes poderão centralizar suas informações de conta e opções de pagamento em um aplicativo móvel unificado, permitindo-lhes realizar transações bancárias diárias na plataforma de sua escolha, fornecida por seu banco ou uma fintech inovadora. A ameaça óbvia para os bancos é a desintermediação, com as fintechs potencialmente sendo proprietárias do relacionamento com o cliente, enquanto os bancos tradicionais simplesmente mantêm a arquitetura de infraestrutura. Embora os bancos possam escolher tratar o PSD2 como um mero exercício de conformidade, acredito fortemente que eles deveriam realmente transformar a regulamentação em uma vantagem competitiva, tornando-se o integrador e provedor de serviços de confiança do cliente.

PSD2: sucesso ou não?

PSD2Como sabemos, as intenções por trás do PSD2 eram nobres, mas a execução foi apressada e incompleta. PSD2 é prejudicado em duas frentes principais:

  • A definição restritiva de 'Contas de Pagamento' significa que os TPPs são limitados na natureza e quantidade de dados que podem acessar de bancos e outros ASPSPs.
  • A falta de regras de padronização de interface levou o setor bancário a adotar diferentes estruturas de APIs / Interface Modificada, tornando a integração TPP excessivamente complicada e cara.

A estrutura atual, portanto, deixa muito a desejar e geralmente está mal equipada para trazer a disseminação completa do Open Banking, e menos ainda do Open Finance, da maneira sem atrito que foi inicialmente planejada. Consequentemente, os potenciais TPPs foram forçados a explorar a possibilidade de estabelecer estruturas de confiança privada com bancos selecionados, ou de outra forma se conectar com cada banco de forma independente de acordo com o conjunto específico de regras daquele Banco.

A Comissão Europeia está ciente de que o PSD2 não correspondeu às suas expectativas e que o seu âmbito revolucionário foi domesticado. Para isso, em setembro de 2020, lançou um Pacote de Financiamento Digital bastante abrangente.

Os dados são reis. O futuro é digital, aberto e com base em dados.

Data is KingA estratégia de finanças digitais define linhas gerais sobre como a Europa pode apoiar a transformação digital das finanças nos próximos anos, ao mesmo tempo que regula os seus riscos. A estratégia define quatro prioridades principais: eliminar a fragmentação no Mercado Único Digital, adaptar o quadro regulamentar da UE para facilitar a inovação digital, promover um financiamento baseado em dados e enfrentar os desafios e riscos da transformação digital, incluindo o aumento da resiliência operacional digital do sistema financeiro. A adoção do financiamento digital desencadearia a inovação europeia e criaria oportunidades para desenvolver melhores produtos financeiros para os consumidores, incluindo para as pessoas que atualmente não têm acesso a serviços financeiros. Abre novas formas de canalizar o financiamento para as empresas da UE, em particular as PME.

Impulsionar o financiamento digital apoiaria, portanto, a estratégia de recuperação econômica da Europa e a transformação econômica mais ampla. Isso abriria novos canais para mobilizar fundos em apoio ao Acordo Verde e à Nova Estratégia Industrial para a Europa.

À medida que o financiamento digital acelera as operações transfronteiriças, também tem potencial para aumentar a integração do mercado financeiro na união bancária e na união dos mercados de capitais e, assim, para fortalecer a união económica e monetária da Europa.

Um setor financeiro digital europeu forte e vibrante reforçaria a capacidade da Europa de reforçar a sua autonomia estratégica aberta nos serviços financeiros e, por extensão, a sua capacidade de regular e supervisionar o sistema financeiro para proteger a estabilidade financeira e os valores partilhados da Europa.

O pacote lançado pela Comissão consiste numa estratégia de financiamento digital, uma estratégia de pagamentos de varejo, propostas legislativas para um quadro regulamentar da UE sobre ativos de criptomoedas e propostas para um quadro regulamentar da UE em resiliência operacional digital. A Estratégia de Pagamentos de Retalho visa proporcionar serviços de pagamento seguros, rápidos e fiáveis ​​aos cidadãos e empresas europeus. Isso tornará mais fácil para os consumidores pagar nas lojas e executar transações de comércio eletrônico com segurança e conveniência, ao mesmo tempo que garante uma implantação bem-sucedida de pagamentos instantâneos em toda a Europa. Para o efeito, pretende alcançar um sistema de pagamentos de retalho totalmente integrado na UE, incluindo soluções de pagamento transfronteiras instantâneas. Isso facilitará os pagamentos em euros entre a UE e outras jurisdições. Irá promover o surgimento de soluções de pagamento nacionais e pan-europeias. Intimamente ligada está a estratégia de Financiamento Digital, que se baseia em mais 4 pilares, com a ‘Promoção da inovação baseada em dados em finanças por meio de espaços de dados comuns’ sendo um desses pilares.

Um dos principais compromissos no âmbito deste pilar é a "promoção da partilha de dados entre empresas no setor financeiro da UE e não só". Este descreve efetivamente a Estratégia de Financiamento Aberto da UE para os próximos anos. Para o efeito, a Comissão tenciona apresentar uma proposta para esse quadro até 2022 e tenciona concluí-lo e implementá-lo até 2024. O próprio quadro será estruturado em torno de:

  • Uma revisão do PSD2 ao longo de 2021 - Prevemos que isso incluirá uma revisão completa do escopo da Diretiva e procuraremos retificar os dois principais obstáculos discutidos anteriormente
  • A Estratégia de Dados da UE que, entre outras metas de alto nível, gira em torno de:
    • Criação de estruturas compatíveis com GDPR;
    • Uma nova Lei de Dados da UE (que será discutida ao longo de 2021); e
    • A novel EU Digital Services Act

A Estratégia de Dados da UE é um empreendimento muito ambicioso que busca criar um mercado único de dados e construir novos setores e nichos em torno do compartilhamento de dados. O documento é de natureza muito geral e pretende atuar como um roteiro para o futuro, tanto para o setor privado quanto para o público. Aborda os obstáculos relacionados com os dados atualmente enfrentados em toda a UE e uma estratégia de alto nível para a forma como podem ser ultrapassados. A visão vai muito além dos serviços financeiros, uma vez que a estratégia é altamente intersetorial por natureza e olha para saúde, mudanças climáticas, registros públicos, etc.

No setor financeiro, a legislação da UE exige que as instituições financeiras divulguem uma quantidade significativa de produtos de dados, transações e resultados financeiros. Além disso, a revisão da Diretiva Serviços de Pagamento representa um passo importante no sentido de um banco aberto, em que serviços de pagamento inovadores podem ser oferecidos a consumidores e empresas com base no acesso aos dados de suas contas bancárias. No futuro, o reforço da partilha de dados deve tornar-se uma pedra angular para estimular a inovação, bem como para alcançar outros objetivos políticos importantes a nível da UE.

A Comissão facilitará ainda mais o acesso à divulgação pública de dados financeiros ou de relatórios de supervisão, atualmente previstos por lei, por exemplo, promovendo a utilização de normas técnicas pró-competitivas comuns. Tal facilitaria o processamento mais eficiente desses dados acessíveis ao público em benefício de uma série de outras políticas de interesse público, como a melhoria do acesso das empresas europeias ao financiamento através de mercados de capitais mais integrados, melhorando a transparência do mercado e apoiando o financiamento sustentável na UE.

Serviços de pagamento europeus. Quo vadis?

euro-1A Comissão reconhece que os pagamentos estão na vanguarda da inovação digital nas finanças. Com a digitalização e as mudanças nas preferências do consumidor, os provedores de serviços de pagamento abandonarão cada vez mais os instrumentos de pagamento tradicionais e desenvolverão novas maneiras de iniciar os pagamentos.

No entanto, o mercado de pagamentos da UE está atualmente altamente fragmentado ao longo das fronteiras nacionais. Além de um punhado de grandes jogadores globais - como redes de cartão de pagamento em todo o mundo e grandes provedores de tecnologia - não há virtualmente nenhuma solução de pagamento digital que possa ser usada em toda a Europa para fazer pagamentos em lojas e no comércio eletrônico.

Embora tenha havido desenvolvimentos encorajadores, como o projeto European Payment Initiative (EPI) e trabalho no sentido de regimes e regras europeias comuns para facilitar a interoperabilidade das soluções de pagamento instantâneo, a Comissão reconhece o risco de inconsistências e de maior fragmentação do mercado.

Olhando para o futuro, a Estratégia prevê alcançar um sistema de pagamentos de varejo totalmente integrado que promova o surgimento de soluções de pagamento locais e pan-europeias. Externamente, a Estratégia define o plano da Comissão para que a UE dê um contributo significativo para os pagamentos transfronteiras com jurisdições não pertencentes à UE, apoiando o papel internacional do euro e a autonomia estratégica aberta da UE.

Apesar dos reveses iniciais do PSD2, continuo igualmente convencido de que o futuro é um mundo bancário aberto. O PSD2 lançou as bases regulatórias de um mundo tão novo e a nova Estratégia de Financiamento Digital e o PSD2 revisado definitivamente continuarão a contribuir para esse futuro aberto.

A evolução nos pagamentos tem o potencial de dar início a uma revolução, embora mais lenta do que o esperado inicialmente.

SiGMA adicionou Hindi como o 7º idioma:

O Grupo SiGMA tem o prazer de anunciar o lançamento do 7º idioma em seu site. Os usuários podem encontrar todo o conteúdo, incluindo o site SiGMA News, em hindi. A mais recente adição ao portfólio de idiomas do SiGMA foi executada junto com o conteúdo recentemente lançado em francês, russo, mandarim, espanhol e português, e visa atender à visão global do Grupo.

 

Posts relacionados